A revitalização do Centro de São Paulo em números e tendências

Uma das vantagens de renovar as regiões centrais é que esses lugares já possuem infraestrutura completa. Uma rede ampla de comércio, cultura, gastronomia e mobilidade. Em geral, os bairros do centro também contam com edifícios históricos, museus, teatros e uma arquitetura inspiradora. Essas características favorecem inclusive o turismo, contribuindo para que as áreas renovadas vivenciem um movimento constante de pessoas, permaneçam atraentes e seguras.

Os números do mercado imobiliário mostram que o paulistano aprova a revitalização do centro de São Paulo. Essa área em plena transformação pronta para receber novos moradores e investimentos há uma década iniciou seu processo de valorização. Desde 2010, a região central da capital paulista viu o valor médio do metro quadrado dos imóveis residenciais aumentar acima de 50%.

O plano da prefeitura para renovação do Centro de São Paulo prevê a requalificação de 71 praças e parques, além de mais de 90 Km de calçadas. O projeto planeja 26 Km de ciclovias e 113 Km de caminhos verdes, que contemplam intervenções paisagísticas. A magnitude do incentivo para a revitalização do Centro de São Paulo pode ser verificada pela verba aplicada nas transformações. Somente no Vale do Anhangabaú, a prefeitura anunciou um investimento de R$ 80 milhões. Existem também iniciativas que buscam atrair ideias de startups em áreas como design, engenharia e arquitetura.

A região que conta a história de São Paulo é também por onde passa o seu futuro. A renovação do Centro da capital paulista já impacta no cotidiano da cidade. Nos últimos anos a área ganhou atenção na mídia e se transformou em objeto de desejo no mercado imobiliário. Entre 2001 e 2017, a população dos distritos da Sé e República cresceu 27%, contra 12% nas outras regiões da cidade. Foram quase 10 mil unidades lançadas nesse período.

A revitalização do Centro de São Paulo passa por iniciativas relacionadas à economia criativa, melhoria nos serviços de limpeza dos bairros, iluminação, eventos, segurança e aumento do orçamento para obras de zeladoria urbana. O Plano de Metas para essa área da cidade contempla cerca de 70 objetivos. Entre os diversos projetos da prefeitura, o Triângulo SP pretende transformar o Centro Histórico de São Paulo em um destino turístico. O Centro Histórico inclui edifícios como o da Pinacoteca, o Centro Cultural Banco do Brasil, o Theatro Municipal, a Bolsa de Valores de SP, a Catedral da Sé, entre outros.

As inspirações internacionais são as melhores. O objetivo é transformar toda essa região em um novo “Soho Paulista”, em referência ao distrito famoso por conquistar turistas e jovens adultos de Londres. Outro modelo é Las Ramblas, a tradicional área de calçadões do centro histórico de Barcelona. A vocação internacional e cosmopolita São Paulo tem de sobra. Com tecnologia, novas ideias e transformações importantes, o morador da cidade já tem condições de dar boas-vindas ao futuro em uma das regiões mais conhecidas da capital.  

Nesse cenário de revitalização, surgem empreendimentos como a Torre Bela Vista. O edifício será um dos mais altos do Centro de São Paulo e se tornará um dos ícones da região. O projeto da Torre, prevê uma releitura contemporânea das joias arquitetônicas da cidade e representa toda essa transformação pela qual o Centro passa. Em seu topo iluminado a 135 metros de altura, um elemento trabalhado em vidro se constituirá em referência na paisagem dia e noite.